terça-feira, julho 05, 2005

Canzon de cuna pra Rosalía Castro , morta

¡Érguete, miña amiga,
que xa cantan os galos do día!
¡Érguete, miña amada,
porque o vento muxe, coma unha vaca!

Os arados van e vén
dende Santiago a Belén.
Dende Belén a Santiago
un anxo ven en un barco.
Un barco de prata fina
que trai a door de Galicia.
Galicia deitada e queda
transida de tristes herbas.
Herbas que cobren teu leito
e a negra fonte dos teus cabelos.
Cabelos que van ao mar
onde as nubens teñen seu nidio pombal.

¡Érguete, miña amiga,
que xa cantan os galos do día!
¡Érguete, miña amada,
porque o vento muxe, coma unha vaca!


Federico García Lorca

2 Comments:

Blogger Menina_marota said...

"Saberás que não te amo e que te amo
porquanto de dois modos é a vida,
a palavra é uma asa do silêncio,
o fogo tem sua metade fria.

Eu te amo para começar a te amar,
para recomeçar o infinito
e para não deixar de te amar nunca:
por isso mesmo é que ainda não te amo.

Te amo e não te amo como se tivesse
em minhas mãos a chave da ventura
e um incerto destino desditado.

Meu amor tem duas vidas para amar-te
Por isso te amo quando não te amo
e por isso te amo quando te amo."

Cien sonetos de amor - Pablo Neruda

Lembrei-me deste poema ao ler Lorca...

Um abraço ;)

05 julho, 2005  
Blogger I said...

Lindo, este poema de amor, obrigada :-))

06 julho, 2005  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

on-line hits.